Poesia Vento Suli

Vento Suli Poesia de Eduardo Linhares   Vento, forte, tenso Vem do Sul e abraça Traz ondas do mar denso Desarruma quem passa   Perpassa as 3 pontes Rumo ao norte da Ilha Parece não secar sua fonte Pouco tempo, muitas milhas   Sobe rápido pela Felipe Enciumada fica a conselheiro Em festa ficam as arvores da praça Anunciando o momento derradeiro   Tudo voa em seu caminho Roupas, lençóis e bonés Guardas chuvas procuram seus ninhos Rezam as comadres de boa fé   Traz consigo irritação Muda a rotina... Leia mais →

Poesia: Morte

Morte Poesia de Eduardo Linhares   Quando eu decidir morrer Eu começarei a viver Quando eu morrer para o apego Começarei a viver sem medo Quando eu morrer para a arrogância Começarei a viver minha velha infância Quando eu morrer para o egoismo Começarei a entender o altruísmo Quando eu morrer para a inveja Viverei em abundância eterna Quando eu morrer para o negativo Ousarei na falta ser positivo Quando eu morrer para a aparência A moda será minha própria essência Quando eu morrer para auto-piedade Baterá no peito o... Leia mais →

Poesia: Desejos

Desejos Poesia de Eduardo Linhares   Genuína sensação Se apodera da razão Insustentável segurar tal emoção Refém me tornei do coração Borbulha na mente Fulgurante e prazeroso Persuasivo e carente Presente e teimoso Ah desejo ainda imaculado Incerto e dominador Iludes com o prazer Confundes com o amor e a dor Caminhos da obsessão Não quero, desejo, me possuo Na proibição e no perdão Da alma extraio o impuro Humanamente nesta condição       Sobre o poeta: Sou uma cara que próximo dos 40 resolveu mudar seu estilo de vida,... Leia mais →

Poesia: Meu doce furacão

Meu doce furacão Poesia de Eduardo Linhares   Num certo momento tudo começou A vida num minuto se transformou Rumos forçados a natureza forjou E agora, pra onde vou?   Novas possibilidades eu vi Além de ver, vivi Pude viver porque senti Conjuguei o verbo mudar, parti   No meio de tantos acontecimentos Outras surpresas me atordoaram em vários momentos Sem trégua em contínuo movimento Diz o coração: seja bravo, não há espaço para lamentos   E no olho do furacão Sinto a presença das possibilidades O vento me leva... Leia mais →

Poesia: Cor e Ação

Cor e ação Poesia de Eduardo Linhares   Coração que nasce De outros dois em nobre enlace Coração que cresce No amor sorri e na dor padece Trilha os mais perigosos caminhos Mas como aprender sem sair do ninho? Hoje bateu apressado Parecia mais tranquilo no passado A ferrugem emperrou o ventrículo Chegou vestida de raiva, medo e julgamento Forcei mais uma batida É preciso fluir do isolamento Preciso é, parar e olhar pro peito e no compasso de cada pulso Urge a necessidade do auto-respeito A mente abre o... Leia mais →

Poesia: Vida nova

Vida nova Poesia de Eduardo Linhares   Na toada da mudança Do que o melhor está por vir Invadido pela esperança Nasce a força em prosseguir Novo dia, olá desafio! Outro dia, olá desafino! Mais um dia, olá desabafo! E mais outro, um olá no compasso! E os dias são longos E as noites são curtas Nasce a dúvida e o assombro Me debato em idéias surdas Mas o tempo continua e conta E no tempo minha vida eu conto Quanto mais ele avança Ainda menos me lamento A realidade... Leia mais →

Poesia: Busca

Poesia de Eduardo Linhares   BUSCA   Busca ser forte O homem que procura um norte Que não conta com a sorte Nutre na alma seu porte Busca ser alguém O homem que vai além Daquilo que na sociedade convém Sabe que na aparência não é ninguém Busca ser inteiro O homem que primeiro Tem coragem e se parte ao meio E no cerne do ser entende pra que veio Busca ser um todo O homem que reflete o universo E no reverso é unidade E na unidade é o... Leia mais →

Poesia: Amor maduro

Poesia de Eduardo Linhares   AMOR MADURO   Ah maturidade, tempo tão demorado pra quem é jovem E tão atrasado pra quem chega! É outra vida, mais tranquila, consciente, sábia, sobrevivente. O futuro perde um pouco da verdade Porque na verdade, a verdade é o presente. E o amor? Como é bom se encantar com os próprios sentimentos E o nível dos pensamentos Onde o amor é vivido sem choros e lamentos. Pouco o amor se confunde com a paixão e sua sombra chamada loucura Pelo contrário, amor é leve,... Leia mais →

Poesia: Tecendo a Vida

Poesia de Eduardo Linhares   Tecendo a vida   Na teia da vida onde tudo acontece, o destino avassala sem pressa e sem prece, na teia da vida onde tudo se aceita, a vida e a morte estão na mesma receita,   Na teia da vida onde tudo se acredita, há deuses e homens e da verdade se abdica, na teia da vida onde tudo floresce, o homem desbrava a natureza que cresce,   Na teia da vida onde a teia nos une, o universo se revela e o ego... Leia mais →

Conto – A churrascada (parte I)

Por Charlis Haubert “Buenas”, Carneamos o bichano e mandei o Juvêncio aprumar a lenha para o fogo de chão enquanto eu catava as taquaras para os espetos. Convidei os vizinhos para a churrascada e, por um minuto, esqueci que estava deselegante dos “pila”. Por logo, chegou o velho Pedro Uruguai com sua senhora Madalena e sua bela filha Gertrudes, dentro da Belina azul calcinha 1973. O possante “esfumaciava” infinitamente mais que o meu fogo de chão. Sem muita demora, chegou Bertoldo Farrapo acompanhado de sua respectiva, Maria Mercedita, e Raimundo... Leia mais →

« Posts mais antigos Posts mais recentes »

Back to top